Proibido em outros países, este remédio é bem popular entre os brasileiros

A dipirona, conhecida no Brasil tanto na forma genérica quanto pela marca Novalgina, é um analgésico e antipirético amplamente consumido. No entanto, enquanto esse medicamento figura entre os mais utilizados no mercado brasileiro, em várias nações ele encontra-se restrito ou até mesmo proibido há décadas.

Este fármaco está disponível em várias apresentações e é frequente em muitos lares brasileiros, sendo vendido sem necessidade de receita. Apesar de sua popularidade, vale a pena explorar o porquê de sua rejeição em outros contextos internacionais e o que isso revela sobre as práticas de segurança e saúde.

Por que a dipirona é proibida em alguns países

A proibição da dipirona em países como Estados Unidos, Reino Unido e Austrália se deve principalmente ao risco de um efeito adverso conhecido como agranulocitose. Este grave problema de saúde envolve a diminuição drástica de glóbulos brancos, essenciais para a defesa do organismo contra infecções.

Apesar das restrições internacionais, a dipirona continua sendo largamente consumida no Brasil. A Anvisa, órgão responsável pela regulamentação de medicamentos no país, concluiu após estudos que os benefícios do medicamento superam os riscos associados a ele. Essa avaliação se baseia em pesquisas locais que indicam uma incidência muito baixa de agranulocitose entre os usuários brasileiros do medicamento.

Estudos e evidências

Estudos realizados em diversos países, desde os anos 1980, têm mostrado uma frequência muito menor do efeito adverso grave associado à dipirona. Em nações como Itália e Alemanha, o medicamento é utilizado sob monitoramento, com casos de agranulocitose ocorrendo em taxas consideradas controláveis.

Esses dados ajudam a compreender por que em alguns países a dipirona ainda é preservada como uma opção de tratamento. O uso consciente e regulado, observando-se sempre as orientações médicas e farmacêuticas, permite que os benefícios do medicamento sejam aproveitados minimizando riscos potenciais.

Recomendações para uso seguro:

  • Sempre siga as orientações da bula e dos profissionais de saúde.
  • Evite a automedicação, especialmente em conjunto com outros medicamentos.
  • Esteja atento aos sinais de reações adversas e procure assistência médica se necessário.

Como qualquer medicamento, a dipirona deve ser usada com prudência. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.