Gigante dos eletrodomésticos chega a falência após fechar 81 lojas

Em seu ague, a marca chegou a faturar US$ 500 milhões por ano

Uma das maiores companhias quando o assunto é eletrodoméstico chegou ao fim após ser adquirida pela rede Ponto Frio. Após o decreto de falência, a marca anunciou o fechamento de 81 unidades, deixando milhares de clientes desamparados com a notícia. Estamos falando das Lojas Disapel, fundada em 1964 no bairro Cidade Indústria, em Curitiba (PR).

Segundo o portal TV em Foco, a primeira loja da franquia foi aberta no dia 25 de setembro de 1964, em um ponto comercial situado na Praça Santos Andrade, no centro da capital paranaense. De lá para cá, em seus 79 anos de história, a rede consolidou-se no ramo varejista, especializando-se em eletrodomésticos. Em seu auge, a Disapel chegou a ter 110 filiais espalhadas por todo território brasileiro, principalmente em Estados da região Sul.

Ascensão e queda da marca

Cabe destacar que, durante a sua consolidação no país, a companhia Disapel ganhou o prêmio Top of Mind no Paraná em diversas oportunidades. Além disso, a empresa foi a maior revendedora da marca Monark e responsável pelo lançamento nacional da Sundown.

Inclusive, na década de 1990, a marca era o maior grupo de varejo no Paraná, com faturamento que chegou a ultrapassar os US$ 500 milhões ao ano. Entretanto, em junho de 2000, a Disapel teve sua falência decretada e sua estrutura perdida.

Porém, a rede ainda contava com 81 lojas, sendo 36 no Paraná, 20 em Santa Catarina e 25 no Rio Grande do Sul. Com o fim do reinado nos anos 2000, a empresa acabou perdendo suas unidades, que foram arrematadas por meio de leilão pelo grupo Ponto Frio, tendo desembolsado R$ 12,1 milhões para comprá-la.

Maior varejista em atividade no Brasil

De acordo com a revista Forbes, o Carrefour é a principal rede de varejo no país, tendo registrado um faturamento de R$ 108 bilhões em 2022. O número foi revelado após um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC). A pesquisa, que analisou as 300 maiores lojas do ramo, também indicou que 173 delas faturaram mais deR$ 1 bilhão, 17 a mais do que foi registrado em 2021.

Grandes marcas paraenses que deixaram de existir

  • 1. Prosdócimo

A Prosdócimo chegou a dominar 25% de todo o mercado nacional de geladeiras e 60% do mercado de freezers. A marca foi criada em 1949 com a razão social Refrigeração Paraná (Refripar), mas adotou o nome fantasia da família curitibana que também atuava no comércio. 

  • 2. Fedato Sports

Um dos maiores ídolos do Coritiba Futebol Clube, o ex-zagueiro Aroldo Fedato abriu uma loja de materiais esportivos em 1965, seis anos após encerrar a carreira nos gramados. Até 2002, a Fedato Sports foi o principal comércio na área de esportes em Curitiba, vendendo não só camisas de futebol e chuteiras, mas também equipamentos para ginástica e uniformes escolares.

  • 3. Bamerindus

Em 1951, o ex-escriturário Avelino Antônio Vieira assumiu o controle do Banco Meridional da Produção, que tinha apenas quatro agências, e mudou a razão social para Banco Mercantil e Industrial do Paraná (Bamerindus), que em 1971 se transformou no Banco Bamerindus do Brasil, uma das maiores instituições financeiras da América do Sul. Porém, em 1997, depois de intervenção do Governo Federal, a instituição financeira foi vendida ao grupo britânico HSBC, que recentemente foi incorporado pelo Bradesco.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.