Urgente: Rio Grande do Sul enfrenta novos temporais com risco de ciclone

Os estados do sul do Brasil estão em estado de alerta devido à previsão de novas chuvas intensas que devem começar nesta semana, especialmente no Rio Grande do Sul. Segundo especialistas, se espera que o volume de chuvas ultrapasse os 100 mm em várias regiões, acompanhado da possibilidade de formação de um ciclone extratropical nesta sexta-feira (17).

Apesar das chuvas serem menos volumosas do que as registradas nos últimos dias, há uma preocupação constante com o solo já saturado, o que aumenta o risco de deslizamentos. A Defesa Civil está monitorando as áreas mais afetadas e emitindo alertas para manter a população segura. Um impacto na economia também já é esperado.

O que esperar para os próximos dias

A previsão indica que as chuvas intensas no Rio Grande do Sul devem se estender até o domingo (19), com acumulados que podem variar entre 60 e 90 mm em diversas cidades. As temperaturas, por sua vez, continuarão baixas durante esse período, contribuindo para um clima mais ameno, porém chuvoso.

Além do Rio Grande do Sul, os estados de Santa Catarina e Paraná também esperam por chuvas intensas, ultrapassando os 100 mm de acumulado em certas localidades. Em resposta, as autoridades recomendam que a população fique atenta e siga todas as orientações, evitando áreas conhecidas por serem vulneráveis a inundações e deslizamentos.

Confira dicas de segurança:

  • Verifique regularmente as atualizações da previsão do tempo.
  • Evite áreas propensas a alagamentos e deslizamentos.
  • Prepare um kit de emergência com itens básicos para qualquer eventualidade.

Consequências das chuvas recentes

Este mês de maio começou com recordes de precipitação em algumas cidades do noroeste do Rio Grande do Sul, como Fontoura Xavier, que observou números que correspondem a seis meses de chuvas em apenas quinze dias. Cidades como Lajeado, Caxias do Sul, Canoas e Porto Alegre também enfrentaram acumulados preocupantes, superando os 500 milímetros. Essas condições extremas resultaram em perdas significativas, incluindo ao menos 149 vítimas fatais devido aos eventos climáticos adversos.

Diante dessa situação crítica, a colaboração e prevenção continua sendo a melhor estratégia. Com o solo ainda encharcado e previsões de mais precipitações, o cuidado deve ser redobrado para evitar mais tragédias.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.