NOVO benefício autorizado para quem mora sozinho; descubra se tem direito

É preciso correr, visto que a solicitação é limitada

Para o brasileiro que mora sozinho, o benefício do Bolsa Família passou por mudanças nos critérios de elegibilidade, conforme divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS), pasta responsável por administrar o programa de transferência de renda.

Entre as alterações em destaque é que agora apenas 16% do valor total repassado a cada município pelo Bolsa Família podem ser destinados às famílias unipessoais. Dessa forma, aqueles que se enquadram nessa categoria específica podem receber apenas a parcela fixa de R$600, de acordo com os critérios estabelecidos pelo MDS.

A constante atualização do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) é de suma importância para que o cidadão que mora sozinho participe do Bolsa Família, tendo em vista que se trata de um registro que concentra informações sobre famílias de baixa renda de todo território nacional. Para ser elegível ao programa social, é preciso comprovar que a renda total da família não ultrapassa R$ 218 por pessoa. 

Mudanças para as famílias unipessoais do Bolsa Família

  • 1. Somente 16% da folha de pagamento de cada município pode abranger famílias unipessoais no Bolsa Família; 
  • 2. Este público é composto por famílias com um único integrante, tendo direito a receber a parcela mínima de R$ 600;
  • 3. A regra é válida somente para as novas concessões do Bolsa Família, logo, antigos beneficiários não serão afetados.

Regras gerais para continuar no programa

Todas as famílias agraciadas pelos recursos do programa assistencial devem se comprometer com compromissos nas áreas da saúde e da educação. São eles:

  • 1. Gestantes devem realizar o acompanhamento pré-natal;
  • 2. Acompanhamento do calendário nacional de vacinação;
  • 3. Realização do acompanhamento do estado nutricional (tamanho e peso) das crianças menores de 7 anos;
  • Frequência escolar mínima de 60% para as crianças de quatro a cinco anos, e de 75% para os beneficiários de seis a 18 anos incompletos que não tenham concluído a educação básica;
  • A família deve sempre manter atualizado o CadÚnico (pelos menos, a cada 2 anos).

Pagamentos são liberados nesta sexta-feira (17)

Antes de consultar as datas, lembre-se que a ordem dos repasses é baseada de acordo com o último dígito do Número de Identificação Social (NIS) de cada segurado, garantindo uma distribuição eficaz e evitando aglomerações em agências bancárias. Dito isso, veja o cronograma:

  • Beneficiários com NIS terminado em 1: depósito no dia 17 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 2: depósito no dia 20 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 3: depósito no dia 21 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 4: depósito no dia 22 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 5: depósito no dia 23 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 6: depósito no dia 24 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 7: depósito no dia 27 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 8: depósito no dia 28 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 9: depósito no dia 29 de maio;
  • Beneficiários com NIS terminado em 0: depósito no dia 31 de maio.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.