Idosos com 60, 61, 62, 63 anos ou mais serão impactados com novo alerta

A medida chega como um grande alívio financeiro para os aposentados e pensionistas

Os idosos auxiliados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foram pegos de surpresa com uma notícia que promete trazer um grande alívio financeiro: o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou o adiantamento das datas de pagamento do 13º salário.

O decreto federal n° 11.947, assinado pelo chefe do Executivo, determinou um novo cronograma para concessão do abono salarial do INSS, impactando positivamente a vida de milhares de aposentados e pensionistas. Abaixo, confira quem tem direito ao 13º salário do INSS:

  • 1. Aposentados;
  • 2. Pensionistas;
  • 3. Segurados;
  • 4. Pessoas que estiveram em auxílio-doença;
  • 5. Pessoas que receberam auxílio-acidente;
  • 6. Pessoas que receberam auxílio-reclusão.

Dia do repasse

A primeira parcela do 13º salário começou a ser paga no último dia 24 de abril e foi até o dia 8 de maio, para os beneficiários que recebem um salário mínimo e mais de um salário mínimo. Já a segunda parcela será iniciada no dia 24 de maio, para quem recebe o equivalente ao piso nacional, e no dia 6 de junho, para quem recebe mais do que isso. Para facilitar o entendimento, confira as tabelas:

  • Segurados que recebem até um salário mínimo (R$ 1.412)
Número final do Benefício1ª parcela paga em abril2ª parcela paga em maio
124 de abril24 de maio
225 de abril27 de maio
326 de abril28 de maio
429 de abril29 de maio
530 de abril31 de maio
62 de maio3 de junho
73 de maio4 de junho
86 de maio5 de junho
97 de maio7 de junho
08 de maio8 de junho
  • Beneficiários que ganham acima do piso nacional
Número final do benefício1ª parcela paga em maio2ª parcela paga em junho
Finais 1 e 62 de maio3 de junho
Finais 2 e 73 de maio4 de junho
Finais 3 e 86 de maio5 de junho
Finais 4 e 97 de maio6 de junho
Finais 5 e 08 de maio7 de junho

Teto do INSS em 2025

A cada ano, aposentados e pensionistas têm seus benefícios previdenciários reajustados pela autarquia previdenciária. A correção é feita pela inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O piso dos benefícios é vinculado ao salário mínimo e tem reajuste real, acima da inflação. De acordo com projeções da Genial Investimentos, o mínimo pode chegar a R$ 1.508,66 em 2025, enquanto o teto dos recursos pode chegar a R$ 8.092,54.

As projeções dos especialistas são diferentes das divulgadas pelo Governo Federal, que prevê um piso salarial nacional de R$ 1.502 no ano que vem. Cabe mencionar que os valores foram calculados a pedido da Folha de S. Paulo. Todavia, o reajuste é dado para minimizar os impactos da inflação na renda dos beneficiários do INSS.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.