FOTOS: enorme EXPLOSÃO solar chama atenção em vários países

O fenômeno resultou em diversas auroras boreais

No último domingo (12), mais especificamente às 13h26, o Sol emitiu uma forte explosão solar, que foi captada pelo Observatório Solar da NASA, uma sonda não tripulada da agência espacial norte-americana que estuda processos da estrela que afetam diretamente a vida em nosso planeta.

O registro mostra um subconjunto de luz ultravioleta extrema, destacando o material extremamente quente nas explosões em uma coloração verde-azulada. O fenômeno é visto no flash brilhante no canto inferior direito da foto — da qual você pode conferir abaixo:


sol

Os cientistas da NASA classificaram a explosão solar como X10, onde o “X” demonstra explosões mais intensas e o número classifica a sua força. A depender do impacto causado na Terra, essas tempestades podem interromper as comunicações, a energia elétrica, a navegação e as operações de rádio e satélite.

Apesar de nem todas as tempestades solares causarem grandes impactos, aquelas consideradas intensas podem afetar as operações de comunicação, como mencionado há pouco. Abaixo, veja em detalhes como acontecem essas interrupções:

  • 1. Danos a satélites: as mudanças podem afetar os satélites e outras naves espaciais em órbita, alterando sua orientação ou potencialmente desativando seus componentes eletrônicos;
  • 2. Transmissões de rádio: as alterações na ionosfera podem bloquear ou degradar as transmissões de rádio que tentam passar pela atmosfera para chegar aos satélites. Além disso, podem impedir que transmissões de rádio sejam refletidas com sucesso na ionosfera;
  • 3. Rede elétrica: o clima espacial pode comprometer as redes elétricas, causando “problemas generalizados de controle de tensão”, sistemas de proteção também podem desarmar por engano ativos importantes da rede elétrica.

De acordo com Clinton Wallace, diretor do Centro de Previsão do Clima Espacial da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), “este é um evento incomum e potencialmente histórico”. Isso porque os fenômenos acontecem quando há explosões no Sol que expele plasma e campos magnéticos, causando tempestades geomagnéticas quando direcionadas à Terra, podendo impactar algumas tecnologias usadas na superfície do planeta.

Tempestade solar e as auroras

Cabe destacar que, nos últimos dias, o Observatório Solar da NASA registrou uma série de explosões solares. Inclusive, curiosamente, auroras boreais e austrais aconteceram nos dois polos do planeta como resultado das explosões no Sol, mostrando que o fenômeno realmente afeta o nosso planeta.

Segundo o NOAA, a última vez que um fenômeno dessa magnitude atingiu a Terra foi em outubro de 2003. O aumento da atividade solar é responsável por fazer com que auroras apareçam em torno dos polos do planeta, conhecidas como luzes do norte, ou aurora boreal, e luzes do sul, ou aurora austral.

Resumidamente, quando as partículas energizadas das ejeções de massa coronal atingem o campo magnético da Terra, elas interagem com os gases da atmosfera para criar luzes coloridas diferentes no céu. Mesmo que as auroras não pareçam visíveis, as fotos do céu noturno podem capturar cores que são praticamente impossíveis de observar a olho nu.

Todavia, se você é um fã deste tipo de evento, a seguir, confira alguns registros feitos dos fenômenos celestes:


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.