Adeus DEFINITIVO: Burger King se despede após Justiça determinar fechamento

Confira todos os detalhes sobre o episódio envolvendo a rede de restaurantes

Na última terça-feira (7), a Justiça determinou a paralisação do funcionamento de duas unidades da rede de fast food do  Burger King na Bahia por dívidas trabalhistas. As lojas ficam em dois shoppings da região: Conquista Sul e Boulevard, de Vitória da Conquista, no interior do Estado, e o valor da dívida gira em torno de R$1,2 milhão.

A decisão foi expedida pelo juiz do Trabalho, Marcos Neves Fava, da 1ª Vara do Trabalho do município e o mandado foi cumprido em duas sextas-feiras alternadas, com um aviso fixo explicando o motivo do fechamento. Além disso, outras medidas determinadas pelo magistrado foram expedição de Mandado de Constatação para a verificação de cartão de crédito utilizado pelo CNPJ das companhias e a inclusão do nome dos devedores no cadastro de inadimplentes (SerasaJud) por tempo indeterminado. 

Por fim, o juiz também deferiu no processo que está em execução desde maio do ano passado, o requerimento da autora da ação solicitando a expedição de mandado de penhora e avaliação dos imóveis dessas lojas do Burger King. 

Dona do Burger King pode comprar outra grande franquia

A SouthRock Capital, empresa em recuperação judicial que detinha os direitos para operar as lojas do Starbucks em terras brasileiras, aceitou uma proposta da ZAMP, franqueadora e operadora das marcas Burger King e Popeyes no país, para a possível aquisição dos bens e direitos referentes às operações da rede de cafeterias.

A informação foi confirmada pela própria ZAMP em um comunicado ao mercado. De acordo com a companhia, essa é uma proposta não vinculante e os termos da oferta são confidenciais. Cabe destacar que uma oferta não vinculante é uma etapa comum em processos de fusão ou aquisição de empresas. Nesse tipo de acordo, a parte interessada na compra apresenta um documento confirmando esse interesse, para que o outro lado apresente, legalmente, seus documentos.

Em linhas gerais, a ideia de uma oferta não vinculante serve para compreender a situação e os números da companhia que pode ser comprada, com a empresa interessada pedindo os documentos para finalizar a operação.

Agora, após a SouthRock ter aceitado a proposta, a ZAMP vai analisar os números da operação do Starbucks no Brasil e, se o interesse em adquirir os negócios para operar a rede permanecer, o próximo passo é apresentar uma oferta vinculante — que, de fato, é uma proposta de compra, com oferta de valores, condições do negócio e outras informações.

Vale lembrar que as primeiras notícias sobre o interesse da ZAMP nos direitos de operar o Starbucks no Brasil começaram em fevereiro deste ano, com o início das tratativas da empresa com a matriz estadunidense da rede de cafeterias. Também cabe ressaltar que a SouthRock perdeu o direito de usar a marca do Starbucks em fevereiro, depois de pedir recuperação judicial no fim do ano passado. O processo começou em dezembro de 2023, com o objetivo de reorganizar uma dívida estimada em R$ 1,8 bilhão.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.